top of page
  • Mistress Kaizen

Uma introdução sobre Mim & BDSM

Olá kinkster,


Deixe-Me começar por Me apresentar. Eu sou V., mas você pode Me chamar de Mistress Kaizen. Além de ser uma mãe orgulhosa de dois lindos gatinhos, louca por plantas e bastante viciada em chá, também sou uma Dominatrix profissional, educadora & mentora, o que Me traz aqui, a este novo diário. Em uma conversa profunda Comigo mesma, Eu decidi que a primeira entrada aqui deveria ser sobre o que Eu conheço melhor, aquilo que Eu respiro, como e durmo: BDSM. Bem-vindo ao BDSM 101, sirva uma boa xícara de chá quente, sente-se e deixe-Me guiá-lo por essas águas quentes.


Se você é um adulto sexualmente ativo, provavelmente deve ter se cruzado com o BDSM. Está em toda parte na grande mídia desde que surgiram cinquenta tons de cinza, cheios de controvérsias e opiniões diferentes sobre o assunto. Mas vamos discutir isso outro dia. Há uma divisão clara quando se trata de sexualidade, você ser baunilha (práticas sexuais normativas) ou você ser kink (práticas sexuais não normativas), BDSM é kink e significa Bondage (o ato de restringir os movimentos de alguém), Disciplina (o ato de estabelecer regras a serem obedecidas seguido de punição ou recompensa), Domínio e submissão (o conjunto de práticas envolvendo a submissão de uma pessoa a outra), Sadismo (o ato de infligir dor a um sujeito por prazer) e masoquismo ( o prazer que o sujeito recebe em receber a dor que sente).


Há uma variedade de práticas saltando entre o B, o D, o S e o M, pode ser sexual, erótico, mental ou ambos. A regra principal aqui é que toda prática deve ser previamente acordada entre as pessoas envolvidas, todo desejo e preocupação devem ser comunicados. Há uma sigla que você vai ouvir muito na comunidade kink, que é SSC (Safe, Sane and Consensual). Embora nada na vida seja 100 por cento seguro, especialmente atividades que possam envolver possíveis lesões, sempre há maneiras de identificar e prevenir os riscos ao pular em águas desconhecidas & turbulentas, seguindo o pensamento, todas as atividades devem ser realizadas com um estado de espírito sensato e são e, claro, cada atividade deve envolver o consentimento total de todas as partes envolvidas. Todo envolvimento kink (e baunilha) tem que ser SSC. Sem discussão. Sem dah dah dah. Tem que ser. Agora, beba seu chá e vamos em frente. Surfando nas águas kink, há outro acrônimo importante a ser conhecido, que é RACK (Risk-Accepted / Aware Consensual Kink), o que basicamente significa que você deve estar ciente dos comportamentos de risco que está prestes a se envolver, lembrete amigável que se você não for informado dos perigos potenciais, você simplesmente não pode consentir.


Não vou Me aprofundar muito e explicar a você a qual ou quais dos rótulos que você pertence, a Deusa de toda a criação sabe quantos rótulos existem (alerta spoiler: são tantos!), Independentemente de você ser Dominante, submisso, sádico, masoquista, daddy/mommy, little ou qualquer outro papel kink que possa servir para você, na cama ou na vida, não se envergonhe disso. Oscar Wilde disse uma vez: “Tudo no mundo é sobre sexo, exceto sexo. Sexo tem a ver com poder.” e bem, BDSM trata de navegar na dinâmica de poder dentro da sexualidade humana e embora às vezes possa parecer como caminhar por um campo minado ao tomar um caminho um pouco menos normativo, não precisa ser. Costumo ver pessoas lutando contra seus desejos em vez de mergulhar fundo por tantos motivos. Meu conselho para você é: vá fundo, vá raso, amarre, seja amarrado, puxe, empurre, vista-se, fique nu. Seja você mesmo, seja consensual. Não permita que os kink shamers tirem o melhor de você, você não é estranho porque gosta de se vestir como uma mocinha, ser espancado e chamado de 'putinha', ou até mesmo se comportar como um animal de estimação. Não normativo não significa ser uma aberração. A menos que ser uma aberração seja o que te deixa com tesão.


Comporte-se e divirta-se,

Vejo você na próxima vez.

Mistress Kaizen




ความคิดเห็น


bottom of page